CONTRA O MAL DO COMODISMO

''Transformar vidas e fazer alguém romper com maus hábitos e crenças erradas não é tarefa fácil, MAS É POSSÍVEL.'' (Gilclér Regina)

--------------------------------------------------------------------

A pauta dessa nossa “conversa” é como conhecer o coração de sua equipe. Ser feroz na luta contra o mal do comodismo, não cair nesta armadilha.
Eu acredito que você que é um gestor, um professor, um profissional liberal, um funcionário público, um empreendedor, um pai, uma mãe ou um aluno, cada qual na sua, irão compreender o que estou“dizendo”.
Vou pegar o exemplo do professor que sabe exatamente o que fazer para que o potencial de seus alunos (equipe em liderança, filhos na família) seja desenvolvido na prática porque ele é bom em ouvir e contar histórias e essa estratégia é poderosa em relacionamentos com equipes.
Ele se conecta com estas pessoas ao nível máximo e ganha a confiança e o coração delas. Assim consegue sair do plano A (atitudes negativas) para o plano B (atitudes positivas e pró atividade).
Sabemos que nossas emoções afetam o nosso modo de vida, nossas decisões e por consequência, o fracasso ou o sucesso.
Transformar vidas e fazer alguém romper com maus hábitos e crenças erradas não é tarefa fácil, MAS É POSSÍVEL.
Ainda mais nos dias atuais quando as pessoas (e porque não os membros de sua equipe, família) vivem essa pós-modernidade onde tudo é relativo e as pessoas estão cada vez mais sem referências e em muitos casos superficiais e inconstantes.
Então pensa comigo: Jamais conseguiremos nos conectar com as pessoas do século XXI sem antes compreender como elas pensam. Isso seria igual um médico diagnosticar um paciente na consulta sem conversar com ele, examinar seu corpo e conhecer seu histórico de patologias.
Você, como líder, pode até não ser detalhista, não ouvir muito e não falar muito, mas seria bom que tivesse alguém assim na sua equipe. Isso proporciona equilíbrio.
O propósito é mostrar para sua equipe, que se as pessoas não tiverem a convicção em querer ser transformadas não terão jamais o comando de suas próprias vidas e seus sentimentos não estarão alinhados com o da organização (empresa, família, curso). E aí, adeus sucesso!
Para finalizar: Você como líder, como professor, pare para refletir e verifica como sua equipe se conecta com você quando você para e olha nos olhos de cada um e conhece suas histórias de vida!
Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!